segunda-feira, 11 de novembro de 2013

VLOG - Desvendando o Código #3/Conceito de Beleza

Olá!

Segunda-feira é dia de atualização nas nossas redes sociais.
Desta vez, a novidade é o vlog de #3 do Desvendando o Código, que trata do conceito de beleza na dança do ventre mineira.
O que vem a ser o belo na dança?
Deixa de ser belo o ato da dança que não tem a preocupação com a estética? E quando há uma maior preocupação com a estética do que com a dança?
Como mensurar o belo?
Essas e outras perguntas são feitas e respondidas no vídeo a seguir.
Confira aqui: DESVENDANDO O CÓDIGO

Comente aqui no blog e construa conosco.



Qual é o código do SEU movimento?

Um comentário:

Marcelo Fallahin disse...

A beleza como conceito genérico da sociedade é uma palavra desgastada e depende de vários aspectos como gosto pessoal, contexto histórico, estética da época entre outros, como os que vcs falaram no vídeo....Mas na minha opinião, se existe uma escala de beleza, essa escala mediria o grau de PROFUNDIDADE.

Por exemplo: Uma mulher pode ser linda para os padrões atuais de estética ....mas se ela for vulgar ou egocêntrica e não saber o que falar, será uma beleza rasa, que despertará nos outros apenas o sensorial desprovido de sentimento e respeito.

Por que as vezes um filme que assistimos pode ser extremante triste, melancólico, dramático ou violento e mesmo assim ser belo? Porque tem conteúdo.

Na arte a profundidade poderia até mesmo ser o sinônimo da beleza, pois na arte não cabe o raso nem o ôco. Apenas indivíduos que oferecem um conteúdo digno de investigação, reflexão e crítica alcançam o patamar do que pode ser considerado ARTE.

NA ARTE os adornos, roupas, corpo bonito, carão, fama e dinheiro são como os temperos, que dão sabor e tornam a comida mais atraente. Mas não é o tempero que nos nutre e sim o alimento (conteúdo).

O espirito então é nossa face mais exigente e não se satisfaz com nada menor do que a vastidão.

Deixo a questão: Como tornar sua atividade (dança, música, teatro) profunda o suficiente para alcançar o patamar do que podemos chamar de ARTE?